Negócio do sexo em casa está a crescer

Negócio do sexo em casa está a crescer. Porto G, serviço criado há uma década, dá apoio a cerca de 700 pessoas por ano. O Jornal de Notícias revela, esta segunda-feira, 4 de junho, as histórias de homens e mulheres que vivem do trabalho sexual. Uma realidade em que 83% das pessoas atendidas por aquela instituição são mulheres, 9% são transesxuais e 8% são homens.

Segundo dados reportados pelo JN, a maioria tem idades entre os 30 e os 45 anos, sendo que o intervalo etário é mais alargado e compreende pessoas entre os 19 e os 65 anos.

Leia a reportagem na íntegra na edição impressa do jn.pt

Imagem de destaque: Shutterstock

Juventude Socialista apresenta três modelos para regulamentar a prostituição

#Prostituição: O mundo dividido entre vigiar, proibir e punir