Ana de Armas nomeada aos Óscares na pele de Marilyn Monroe

Captura-de-ecrã-2022-06-17-às-13.25.24-1200x675
[Fotografia: captura de ecrã/ Blonde]

Ana de Armas é uma das estrelas que vai disputar o prémio de melhor atriz nos Óscares 2023 e está nomeada pela sua representação em Blonde, o filme biográfico e sombrio sobre Marilyn Monroe.

A Academia de Cinema dos Estados Unidos divulgou a lista completa dos nomeados em 23 categorias nesta terça-feira, 24 de janeiro, e a cerimónia está marcada para 12 de março em Los Angeles, no estado da Califórnia. Recorde-se que Portugal acaba de ver o seu primeiro filme nomeado aos mais emblemáticos prémios da sétima arte: Ice Merchants, de João Gonzalez e na categoria de curta-metragem de Animação

Com Ana de Armas disputam o galardão as atrizes Cate Blanchett, com Tar, Andrea Riseborough, em To Leslie, Michelle Williams, com The Fabelmans e Michelle Yeoh, Everything Everywhere All at Once

 

Blonde foi exibido na plataforma Netflix, a 28 de setembro, e foi apresentado como um dos projetos cinematográficos mais ambiciosos do ano.

Baseado no romance da escritora americana Joyce Carol Oates, o filme tem duração de 2h45 e retrata de forma crua a ascensão ao estrelato e, principalmente, os problemas de saúde mental da estrela de Hollywood, que morreu aos 36 anos.

Ninguém sai impune nesta reinterpretação da vida da loira platinada, um ser frágil numa Hollywood misógina. Nem mesmo o então presidente John Fitzgerald Kennedy, que é retratado como um predador sexual, forçando Marilyn a fazer sexo oral enquanto está ao telefone. A película retrata a forma como Norma Jean (nome verdadeiro da atriz) foi maltratada e desprezada pelos ex-maridos, de acordo com o relato de Carol Oates.

“Independente de como o filme será recebido, Marilyn mudou minha vida”, confessou Ana de Armas, em Veneza. “Senti-me cheia de tristeza sabendo tudo o que lhe aconteceu, também como mulher, e não lutei contra esses sentimentos, não me queria proteger disso”, explicou.

O filme, realizado por Andrew Dominik, evoca a infância destroçada de Marilyn, filha de uma mãe solteira com problemas psiquiátricos, a ausência do pai e, mais tarde, a maternidade, que nunca se concretizou para a atriz.
Classificado como impróprio para menores de 17 anos nos Estados Unidos da América
, o filme pode ser visto pelos quase 220 milhões de assinantes da Netflix e não será exibido nos cinemas.