Subir

Madonna: “O meu vestido na Met Gala era uma afirmação política”

Madonna

Um dos visuais mais comentados da Met Gala deste ano foi o de Madonna. A cantora de 57 anos compareceu no Metropolitan Museum of Art Costume Institute para participar, no passado dia 2, naquele evento de beneficiência com uma criação da conhecida marca francesa Givenchy e foi criticada por a peça ser demasiado reveladora e pouco apropriada à sua idade.

Habituada a polémicas, aquela que é conhecida como a Rainha da música pop não tardou a fazer chegar uma resposta a quem não compreendeu o seu visual: “O meu vestido na Met Gala era uma afirmação política, assim como uma afirmação de moda”, escreveu Madonna nas redes sociais.

“Nunca pensei de forma limitada. Não vou começar agora a fazê-lo”

No seu desabafo, diz que se tem lutado (“e continuamos a lutar”) pelos “direitos civis e pelos direitos dos homossexuais em todo o mundo”, mas “quando se trata dos direitos das mulheres, ainda continuamos na ‘era das trevas'”. “O facto de as pessoas acreditarem realmente que uma mulher não tem permissão para expressar a sua sexualidade e ser uma aventureira depois de determinada idade é uma prova de que vivemos numa sociedade atrasada e machista”, escreve.

O estilista Riccardo Tisci acompanhou Madonna à gala de beneficiência

O estilista Riccardo Tisci acompanhou Madonna à gala de beneficiência

A artista, que desde os anos 1980 dá que falar pela(s) forma(s) como se apresenta em público, recorda que nunca pensou “de forma limitada”. E avisa: “Não vou começar agora a fazê-lo. Não podemos mudar nada a não ser que estejamos dispostos a correr riscos (…). Foi assim que fomos mudando a história”.

Para Madonna, quem os “problemas com a maneira de vestir” são “simplesmente um reflexo” de “preconceito”. “Eu não tenho medo de abrir caminho para todas as raparigas que vêm atrás de mim. Como Nina Simone disse uma vez, a definição de liberdade é ser-se destemido. Eu continuo a não ter remorsos e a ser um coração rebelde”, justifica.

A terminar, a artista apelou a quem a segue no Facebook e Instagram à “luta pela igualdade entre os sexos”. “Igualdade!”, frisou.

Por Ana Filipe Silveira