Subir

“Olá! Eu sou a Sandra Correia e tenho 45 anos”

No dia 23 de fevereiro, quinta-feira, Sandra Correia vai lançar o primeiro encontro do Women’s Club, no Hotel Fonte Cruz em Lisboa. O encontro vai durar duas horas, das 18h00 às 20h00, é aberto a todas as mulheres e a ideia é trocar experiências, contactos, dar-se a conhecer, ou seja, fazer networking.

“O networking é fundamental para os negócios. É preciso é saber usá-lo. É uma questão de dar e receber”, afirma a organizadora ao Delas.pt. “Devo 100% da minha carreira ao networking.

Sandra Correia ganhou vários prémios de mulher de negócios do ano, empreendedora da Europa, foi apresentada como exemplo de empreendedorismo, de liderança pela positiva. O nome da empresária surge associada ainda muitas vezes à Pelcor e é natural que assim seja, afinal cresceram juntas. Depois da compra da marca de moda em cortiça por capitais angolanos, Sandra Correia é hoje share holder e administradora da empresa Nova Cortiça, empreendedora e, agora, promotora desta rede de contactos, a Women’s Club. Como é que lhe surgiu a ideia?

“Quando estive a trabalhar nos EUA, por causa da Pelcor, as pessoas com quem me dava eram todas norte-americanas. Então conheci o Portuguese Circle, um encontro informal para portugueses que estavam em Nova Iorque. Estes portugueses acabaram por me apoiar muito.”

Lisboa , 12/01/2017 - Entrevista com Sandra Correia. (Nuno Pinto Fernandes / Global Imagens)

Sandra Correia (Nuno Pinto Fernandes / Global Imagens)

Agora é a vez de Sandra Correia apoiar as outras no lançamento das suas marcas, das suas carreiras, das suas vidas. E por que razão este clube é apenas as mulheres? A administradora refere que embora os homens sejam bem-vindos, eles já têm ferramentas de construção de rede, enquanto elas, entre as solicitações pós-laborais e o recato que tantas vezes é imposto ao género feminino, vão perdendo a rede, os contactos e consequentemente as oportunidades.

Networking: uma ferramenta social de emprego essencial

 

A ideia do Women’s Club é contrariar esta tendência, mantê-las no caminho empresarial certo e chegar a indicar outras mulheres para as lideranças. Para contrariar a timidez que as mulheres possam ter e que as possa levar a desistir de ir a um encontro tem uma receita apenas:

“Chegar e dizer. ‘Olá! Eu sou a Sandra, tenho 45 anos e sou empreendedora. E tu?”

 

C.M.