Subir

Papa lembra a importância da caridade e fala sobre os refugiados com António Costa

Após um encontro a sós com o líder da Igreja Católica, que termina hoje uma viagem apostólica a Fátima, António Costa contou aos jornalistas que levou “uma palavra de respeito, de gratidão” pela visita, mas também “a vontade de Portugal, enquanto Estado em colaborar na promoção daqueles valores que têm sido causas importantes” para Francisco, “designadamente a proteção dos seres humanos que estão numa situação mais frágil”.

“O apoio que temos dado aos refugiados, a grande preocupação que o Santo Padre tem revelado relativamente à necessidade de desenvolvimento do continente africano e as responsabilidades que Portugal tem nessa matéria, a colaboração para a paz em todo o mundo e a construção quer ao nível das Nações Unidas, quer ao nível sobretudo da União Europeia, de novas uniões de valores para defesa da dignidade da pessoa humana”, relatou António Costa sobre os temas falados no encontro.

Uma família de refugiados do Iraque, que se encontra a viver na região conheceu o papa Francisco após o encontro, salientou António Costa.
“É um tema que o santo padre tem manifestado grande, grande preocupação e em que Portugal tem procurado responder o melhor possível às suas responsabilidades, às responsabilidades que todos nós temos de assegurar proteção internacional a quem foge da guerra, da violação dos direitos humanos, da falta de liberdade, de todas as formas de perseguição”, afirmou.

O chefe do executivo disse que o encontro com o líder da Igreja Católica foi para si, “obviamente um momento muito emocionante”, considerando Francisco “uma personalidade tão inspiradora para o mundo em que hoje vivemos, seguramente para os crentes, mas também para todos aqueles que acreditam nos valores fundamentais da humanidade”.

“Tenho acompanhado este pontificado, as encíclicas que têm sido proferidas, e penso que ninguém tem ficado insensível à forma como sua santidade tem exercido o seu pontificado e a forma muito importante como tem procurado fazer-nos recentrar a nossa atenção em valores que são fundamentais e que, no fundo, são valores comuns a toda a humanidade, independentemente das suas crenças”, declarou.

Valores que o Santo Padre reafirmou durante a homília da missa de canonização de Jacinta e Francisco, lembrando que a justiça e caridade devem ser dois dos pilares de uma vida católica.

“Queridos irmãos rezemos a Deus com a esperança de que nos escutem os homens, e dirigimo-nos aos homens com a certeza de que nos vale Deus. Pois ele criou-nos como uma esperança para os outros. Uma esperança real e realizável segundo o estado da vida de cada um. Ao pedir e exigir o cumprimento do nosso dever, o céu desencadeei-a uma mobilização geral contra essa indiferença que nos gela o coração e agrava a miopia do olhar. Não queiramos ser uma esperança abortada. A vida só pode sobreviver graças à generosidade de outra vida.”, afirmou hoje o Papa Francisco em Fátima.


Veja também as frases importantes do Papa em relação às mulheres.


 

Margarida Brito Paes com Lusa