Subir

Polícia vai poder analisar o telemóvel dos condutores?

Textalyzer: Polícia poderá vir a analisar o telemóvel dos condutores

Para já é apenas um alerta aos condutores distraídos com mensagens no telemóvel: um novo dispositivo – chamado “textalyser” – pode ajudar a polícia a esclarecer se um condutor estava a usar o telemóvel no momento do acidente.

O “textalyser” é um aparelho que analisa a metainformação de um smartphone para saber se foi usado recentemente, garantindo a privacidade do conteúdo de mensagens, agendas telefónicas, fotos, vídeos e todos os outros conteúdos.

Números assustadores
A câmara de Nova Iorque propõe que a polícia local utilize este aparelho para apanhar os condutores infratores. A legislação proposta argumenta que “as estatísticas indicam que 67% dos condutores admite continuar a usar o telemóvel durante a condução apesar de conhecerem os perigos, para eles e para terceiros, inerentes a esta prática. Por isso, é do interesse público lidar com estas infrações de forma semelhante à condução sob o efeito do álcool”.

No artigo As mulheres são melhores condutoras do que os homens, com base num estudo da Deco sobre os maiores riscos tomados pelos portugueses nas estradas, no que toca ao uso do telemóvel, 29% admitiram utilizá-lo sem sistema de mãos livres durante a condução e 13% chegam mesmo a enviar mensagens. “Alguém que esteja a conduzir na autoestrada, a 120 km/h, e olhe para o telemóvel durante três segundos, estará a percorrer o correspondente a um campo de futebol sem estar com atenção à estrada”, compara o tenente-coronel Lourenço da Silva, chefe da Divisão de Trânsito e Segurança Rodoviária.

Esta já é chamada de ‘Lei Evan’, na sequência da morte de Evan Lieberman, um jovem de 19 anos vítima de uma colisão provocada por um condutor distraído, em 2011. Foi o pai dele que ajudou a elaborar este projeto de lei através da associação sem fins lucrativos que criou.

B.C.M.