Reino Unido convida europeus a deixar o país. Portugueses estão em risco?

O Ministério do Interior do Reino Unido está a convidar, por carta, os cidadãos da União Europeia (UE) sem recursos a abandonarem o país para evitarem cair na “indigência”, revela hoje o semanário The Observer.

Portugal é a sexta maior fonte de emigração no Reino Unido e, em 2016, foram 30,543 os portugueses que entraram naquele país, o que configurou uma primeira descida anual desde 2010, segundo dados do Observatório da Emigração.

De acordo com os dados do Department for Work and Pensions, tal número representou 3,7% do total de emigrantes que entraram no território. Ao todo foram 824,782 estrangeiros que deram entrada no Reino Unido.

O jornal britânico que agora divulgou uma missiva recebida por um cidadão romeno, na qual o Governo recomenda que considere a possibilidade de se mudar para outro país da UE.
O cidadão em causa, que se encontra num centro de detenção, tinha solicitado habitação de emergência, para poder beneficiar de liberdade condicional, um pedido que lhe foi recusado.


Investigadoras portuguesas no Reino Unido alertaram para estes riscos no Delas.pt


“Você poderá evitar cair na indigência se voltar à Roménia ou a outro Estado-membro da UE, onde poderá desfrutar do acesso a todos os direitos da Convenção Europeia de Direitos Humanos, sem interferência”, diz a carta.
De acordo com o diário britânico, citado pela EFE, o Reino Unido deportou 5.301 cidadãos de estados-membros da EU nos 12 meses anteriores a junho de 2017, o nível mais alto desde que começaram as notificações.


Releia os testemunhos de mulheres portuguesas emigradas

Recorde o testemunho de Catarina Barbosa, emigrante portuguesa na Venezuela


A diretora da organização de aconselhamento jurídico Bail for Immigration Detainees (BiD), Celia Clarke, criticou que “os funcionários britânicos estejam a atuar desta forma”, quando o Reino Unido ainda não abandonou a UE.
“O futuro das nossas relações com os europeus deveria preocupar-nos”, afirmou a responsável, para quem “o perigo reside no facto de o divórcio da União Europeia se estar a tornar cada vez mais áspero”.

CB com Lusa

Imagem de destaque: Shutterstock