Se os ingleses chegarem à final (também) é graças a esta mulher

A vida de Gareth Southgate nunca mais foi a mesma depois de falhar um penalty decisivo no Euro 96, frente à Alemanha (e para que não sofram mais, nem vamos lembrar os súbditos de sua majestade desse desafio épico no Euro 2004 quando Portugal levou a melhor).

Mas o ex-futebolista e atual selecionador inglês terá alcançado alguma redenção perante a eficácia e foco dos seus jogadores, quando o fantasma das grandes penalidades se voltou a meter no caminho, agora frente à Colômbia. É que os ingleses nunca tinham vencido no desempate por penalties durante um Mundial, razão mais que suficiente para fazer a festa quando Eric Drier assinou o remate certeiro que carimbou o triunfo – nem de propósito, procure-o entre os preferidos do público feminino, a avaliar pela nossa fotogaleria.

Embate após embate, a equipa inglesa disputa esta quarta-feira, 11 de julho, um lugar na final ao medir forças com a Croácia, e boa parte dos créditos na caminhada de sucesso podem ser atribuídos a Pippa Grange. Foi em novembro de 2017 que a federação inglesa recrutou os serviços da psicóloga de 47 anos, nascida no Yorkshire e naturalizada australiana, a quem coube melhorar os níveis de confiança daquele coletivo de atletas.

(imagem do Linkedin)

São conhecidos os posters de Grange, que expôs a cultura de bullying na natação durante as preparações para as Olimpíadas de Londres 2012, e que apontou o dedo à Liga de Futebol Australiana por ter abandonado um jogador a tentar libertar-se da adição das drogas. A psicóloga, que acompanha a seleção na Rússia, incentivou a afixação de frases motivadoras como “o sucesso não é um dado garantido, conquista-se”.

(foto destaque: Reuters)

Helena, a única mulher a comentar o Portugal-Uruguai na TV