Serena quer fazer história em Wimbledon. Mas antes foi ver o príncipe Harry jogar polo

Venceu o primeiro jogo em Wimbledon nove meses depois de ter sido mãe e continua no encalço da recordista de todos os tempos, Martina Navratilova, nove vezes campeã na relva do sul de Londres. Mas antes disso, Serena Williams adiou uma conferência e tirou umas horas para fazer companhia à amiga Meghan Markle. Hoje, a partir das 11h, volta a pegar na raquete.

Por que razão a maioria dos furacões têm um nome feminino? Retomamos o assunto em tempo incerto de verão para lhe falar de outra certeza, outra força da natureza. Esta segunda-feira chegou Serena, aos 36 anos, vestida de branco como manda o figurino do torneio, demorou a ganhar velocidade, mas sem grandes tempestades levou de vencida a holandesa Arantxa Rus pelos parciais de 7-5 e 6-3, na ronda inaugural de Wimbledon.

Na fase seguinte do torneio de ténis, agendada para esta quarta-feira, enfrenta a búlgara Viktoriya Tomova, mas não é com adversárias que este retângulo de texto arranca. Os furacões, já se sabe, têm os seus caprichos, e por isso a imprensa viu adiada por Serena a conferência de pré torneio que se deveria ter realizado no passado sábado – qual jogo de pares, Williams juntou-se à amiga Meghan Markle para acompanhar o desempenho do Príncipe Harry no Audi Polo Challenge (já que pergunta, a equipa de Harry venceu por 5-2), em Ascot.

Há que dizer que o desempenho de um furacão melhora consideravelmente com o colorido das más línguas. Houve quem não tardasse a associar o cancelamento da conferência a outro motivo: em vésperas do começo do torneio, a cabeça de série número 25 foi surpreendida na sua casa na Florida, nos EUA, com um controlo anti doping. Mais testada que outras atletas, Serena alegou ser vítima de perseguição, enquanto outras vozes defendem que terá tentado fintar as perguntas incómodas dos jornalistas.

De ‘Serena Slam’ a Serena Mamã

Foi em setembro de 2017 que a norte-americana, em busca do seu oitavo título no sul de Londres (onde competiu pela última vez na edição de 2016) deu à luz a sua primeira filha, Alexis Olympia. É por isso que se fala dela. É também por isso que se fala dela porque todos os furacões têm uma história antes de darem novas histórias ao mundo.

Williams soma 23 títulos do Grand Slam e quer continuar a morder os calcanhares a Martina Navratilova, histórica ex-tenista checa, que por nove vezes ergueu o mais cobiçado dos troféus neste torneio. “Estou contente por estar de volta, foram dois anos sem jogar na relva, por isso está a ser um pouco difícil recuperar o ritmo”, revelou a mais velha das irmãs Williams à agência AFP. Há sempre algum trabalho por fazer, mas isso não é novidade para Serena nem para o resto das atletas femininas – como alguém lembrou e bem, desde 1969 que cabe aos homens a honra de encerrar as hostilidades em Wimbledon.

Também é verdade que um pouco de superstição só adensa o mito (bem avisámos que todos os furacões têm uma história). A tenista é conhecida por usar as mesmas meias durante todo o torneio, sem as lavar, e tenta utilizar sempre o mesmo chuveiro. Na semana passada, terá acrescentado mais uma rotina à sua lista: enquanto treinava para o primeiro embate na relva, optou sempre pelo mesmo court, o número oito, onde se manteve mais resguardada das câmaras, sempre acompanhada pelo treinador Patrick Mouratoglou. Mesmo ainda distante de anteriores níveis exibicionais, Serena garante que vai “chegar lá”.

Em maio alcançou o quarto round no open francês (retirou-se sem chegar a jogar contra Maria Sharapova, na sequência de uma lesão peitoral). E já aí, na terra batida, o furacão voltou a revelar as suas garras, serenamente, com um dos visuais que marcou a edição 2018 de Roland Garros. A tenista surgiu num fato preto de uma só peça, qual jumpsuit coleante a fazer lembrar uma catwoman, com uma frase de motivação para todas as recém-mamãs.

Catsuit anyone?” “Para todas as mães que tiveram uma recuperação pós parto complicada, aqui vamos nós. Se eu consigo, vocês também conseguem”, incentivou então nas suas redes. Recorde-se que Williams sofreu de um embolismo pulmonar e de hematomas no rescaldo do parto, como relevou então à CNN.

Bola para cá, bola para lá. Voltemos a Londres e ao momento em que Meghan Markle irá retribuir a companhia de Serena no sábado passado. A duquesa de Sussex é aguardada na Royal Box do Court Central. Será um regresso a este cenário, agora oficialmente no papel de princesa, precisamente dois anos depois de ter sido apanhada a assistir ao jogo da amiga Serena, no verão em que conheceu aquele que viria a ser o seu futuro marido, Harry. Um match point perfeito.

[Imagens: Reuters]

Serena Williams apresenta linha de roupa na Semana de Moda de Nova Iorque