Subir

Como é que a fotografia de Sia nua a tira do lugar da vítima

Esta segunda-feira, a cantora Sia Furler, de 41 anos, divulgou na sua conta oficial do Twitter que alguém estava a tentar vender imagens dela nua. Para impedir que tal acontecesse, a própria disponibilizou a imagem sem custo algum.

Se comprar, ela [a fotografia] não estará desfocada e receberá mais 14 imagens” é a mensagem de venda que acompanha a fotografia de uma mulher nua de costas. Perante este anúncio, Sia reagiu publicando no Twitter um print da imagem com a seguinte legenda: “Alguém está, aparentemente, a tentar vender fotos minhas nua aos meus fãs. Poupem o vosso dinheiro, aqui está de borla. Todos os dias é Natal”, como se pode ver em baixo.

Foi desta forma que a cantora australiana virou o jogo, passando de vítima frágil de revenge porn, a mulher que tem a liberdade de escolher o que quer e o que não quer expor ao mundo. Ao trocar as voltas ao vendedor, Sia mostrou que ninguém tem mais poder do que a própria mulher no que diz respeito ao seu corpo.

Neste caso, a artista não se deve ter apercebido de que estaria a ser fotografada, mas a verdade é que, independentemente de serem fotografias tiradas com ou sem consentimento, ninguém tem o direito de partilhar ou vender a imagem de ninguém sem autorização do próprio.

 

Revenge porn: o que é e como prevenir?

Revenge porn: primeira condenação em Portugal para um crime que a APAV conhece bem