Subir

Simone de Oliveira: «Sinto que estou sempre no palco»

É difícil fazer uma entrevista a Simone de Oliveira. Mulher de muitas facetas e vida longa ­– faz no próximo ano 80 anos ­–, pública e documentada, em entrevistas e coscuvilhices… Simone tem até já uma biografia em livro, Força de Viver (edições Matéria Prima). Mas a sua gargalhada forte, aberta, tira nervos a qualquer entrevistador.

Isso e o sentido de humor, espicaçado pela flûte de espumante da longa carta do restaurante JNcQUOI, onde decorre a entrevista/almoço, na sala que Simone bem conhece, o antigo foyer do Teatro Tivoli. Tudo é pretexto para ativar a memória numa mulher com tanta.

Ali entrou Simone como repórter para cobrir um Festival da Canção, quando teve essa profissão depois de ter perdido a voz. Vai voltar àquele teatro a partir de 23 de setembro, no desafio que lhe foi colocado pelo autor Tiago Torres da Silva e pela produtora UAU. Um musical que será a sua biografia, em vida, em que cantará as suas canções e será ela própria.

Vai estrear um espetáculo biográfico. Não podia ser feito sem a Simone, pois não?
Quando o Tiago Torres da Silva lhe propôs, o Paulo Dias, da UAU [a produtora] perguntou isso: é com ela ou sem ela? É com ela! Então está bem. Não, não era a mesma coisa… Uma biografia com a pessoa viva: aleluia, corações ao alto!

Lei a entrevista completa em noticiasmagazine.pt.

 

Imagem de destaque: Global Imagens

Catarina Carvalho