Subir

Só há uma portuguesa na elite de atletas da Maratona Nova Iorque

Jéssica Augusto será a única portuguesa entre os atletas de elite que no domingo competem na Maratona de Nova Iorque. A atleta portuguesa já está recuperada da lesão e treina desde quarta-feira na Grande Maçã.
O ano começou bem para a atleta do Sporting, que fará 37 anos na próxima quarta-feira, com a vitória na Maratona de Hamburgo, em abril, em 2:25.30 horas. Depois, em vésperas dos Mundiais de Londres, anunciou que tinha de parar, para recuperar de uma lesão num pé. Ainda sem estar ao nível do seu recorde pessoal (2:24.25), Jéssica aponta para um tempo abaixo das 2:28.00, ‘resolvendo’ desde já a questão dos mínimos para os Europeus de 2018.
Jéssica fez a viagem para Nova Iorque na quarta-feira e já tem treinado no Central Park, onde é evidente um acréscimo de segurança, depois do atentado de terça-feira na baixa de Manhattan.

“Vou correr ao meu ritmo, sem pressão”, assume a fundista lusa, que ainda em 2014 fez o seu melhor, na maratona de Londres, antes da pausa para maternidade.
A grande favorita para domingo é, mais uma vez, Mary Keitany, que procura o ‘tetra’ nas avenidas de Nova Iorque. A queniana, atual ‘rainha’ da maratona, tem um impressionante recorde pessoal de 2:17.01, este ano em Londres.

Não correrá tão rápida em Nova Iorque, porque o percurso não é propício, mas promete o recorde do percurso, de 2:22.31 (da queniana Margaret Okayo, em 2003). Entre as atletas de elite estão também a norte-americana Shalane Flanagan e as etíopes Buzunesh Deba e Mamitu Daska.

Reynaldo Gianecchini: “Sou prático demais para ser romântico”