Subir

Dona Sofia fala na “desgraça sentimental” e económica de Alzheimer

A rainha emérita Sofia de Espanha defendeu, esta terça-feira, 19 de setembro, em Lisboa, que o custo das demências para as famílias não é apenas sentimental, mas também económico, numa altura do ciclo de vida em que há menos poder económico.

“O custo para as famílias não é apenas de desgraça sentimental, é também em grande medida económico, pois aumentam os gastos em cuidados com os doentes numa etapa da sua vida em que normalmente os rendimentos diminuem consideravelmente, uma vez que o maior risco deste tipo de doenças é o aumento da idade“, afirmou a rainha emérita de Espanha, na abertura oficial da cimeira internacional sobre a doença de Alzheimer, em Lisboa.

Rainha emérita Sofia de Espanha, o Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa e Leonor Beleza, presidente da Fundação Champalimaud [Fotografia: Rio Cruz/Lusa]

O encontro, que reúne mais de 80 peritos internacionais, decorre na Fundação Champalimaud e é coorganizado pela Fundação Rainha Sofia, que deve o nome à sua fundadora e se dedica ao combate a várias doenças, como as neuro-degenerativas.

“Urge encontrar soluções”, diz a rainha emérita de Espanha

Na sessão de abertura, em que esteve presente o Presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, a mãe do monarca Felipe VI partilhou os objetivos da sua Fundação, destacando o de um dia vencer as demências e todas as doenças neuro-degenerativas, que “tão devastadoras consequências têm nas sociedades”.

Sobre os custos das demências, Dona Sofia referiu-se também aos que são suportados pelos governos, que são uma “carga que não para de aumentar”.”Urge portanto encontrar soluções o mais rápido possível”, afirmou.


Releia a entrevista a Catarina Alvarez, coordenadora do projeto ‘Café Memória’ e ‘Cuidar Melhor’, ligados à Associação Alzheimer Portugal


A rainha emérita, que há 15 anos trabalha através da Fundação com o seu nome na luta contra várias doenças da área neurológica, sublinhou ainda a importância de não se esquecer “o aspeto humano da doença” e a necessidade de que as famílias possam “encontrar apoio, afeto, consolo e sobretudo esperança perante este incapacitante mal”.

O aspeto humano desta doença foi também abordado pela anfitriã desta cimeira, a presidente da Fundação Champalimaud, Leonor Beleza, que defende estar-se perante “questões de direitos humanos”, sem geografias, fronteiras ou níveis de desenvolvimento.


Recorde na íntegra a entrevista de Leonor Beleza ao Conversa Delas, na TSF


Para Leonor Beleza, a luta contra as demências não é apenas um problema de saúde que deve ser tratado por médicos e enfermeiros, mas deve antes envolver todas as áreas, como a científica, social e económica.

“É um desafio global”, disse Leonor Beleza, considerando que o encontro que começou esta terça e decorre até sexta-feira vai contribuir para estreitar as relações entre as duas fundações, a espanhola e a portuguesa.

Imagem de destaque: Rio Cruz