Pernas para que vos quero? Afinal, quem é que inventou a minissaia?

Há uma guerra aberta ainda sobre quem teve antes a ideia, em meados do século passado, de desenhar e comercializar a minissaia: Mary Quant, jovem, modernaça, mulher e inglesa ou Courrèges, severo, homem a régua e esquadro, e francês! Os conservadores dizem que foi o homem, as vanguardistas a mulher.

Pensar que alguém desenhou a minissaia no século XX é no mínimo tonto. A minissaia é a roupa mais básica desde que se teve vergonha de mostrar o pipi. É só ver os frescos de alguns túmulos egípcios, pré-históricos, onde belas dançarinas traziam frutas e bebidas em travessas para animadas festas, ou os de Creta, onde mancebos musculados, de minissaia, saltavam sobre touros furiosos.

Mas também é verdade que desde aí poucas vezes as mulheres (e os homens em público) voltaram a mostrar as pernas. E veio depois o cristianismo e acabou-se a festa. Só no meio do século XX as mulheres mostraram, declaradamente, os joelhos; mas esta é a primeira premissa para que uma saia seja mini: tem que ser pelo menos desde o meio da coxa para cima.

Usar minissaia em 50/60 era tão radical como marchar com as sufragistas de novecentos. A minissaia serve um propósito, quando a meio do século passado as mulheres, ao fim de muito tempo, se mexeram pela causa comum, ser mulher. E havia muito para fazer desde a primeira guerra, pelo menos, sempre aquela roupa acanhada e castradora, de trabalho, de dona de casa, e mais nada. Quando muito tudo isto, mas em couture, apenas mais cara e bem executada.

Eu voto na Mary Quant, era gira, tinha pinta e era mulher, dizia-lhe diretamente respeito. A Manchester Art Gallery, lá, em Inglaterra, também lhe acha graça; até 5 de novembro está patente a exposição “Mary Quant: Fashion Icon” onde se podem ver 22 modelos originais, entre outras guloseimas, todas inspirações para quem desenha moda.

Se tem ainda dúvidas para onde ir de férias e estiver, como eu, farto deste calor maluco, que isto é mais-Equador-do-que-Paris, vá para o Reino Unido. Em Manchester esperam-se no próximo mês, no máximo 22º e vai chuviscar, refrescando, só um dia. De resto, sempre casaquinho, cacau com rum e mostrar as pernas.

www.manchesterartgallery.org.