Hillary Clinton pensou “nunca mais sair de casa”

hillary-clinton

Na sua primeira aparição pública, na quarta-feira, desde que reconheceu a derrota nas presidenciais dos Estados Unidos, Hillary Clinton disse que os resultados eleitorais expuseram divisões profundas “no maior país do mundo”.

“Na última semana, muitas pessoas questionaram-se se a América é o país que achavam que era. As divisões que se evidenciaram durante esta eleição são profundas, mas por favor oiçam-me quando digo: a América vale a pena”, disse a democrata durante um evento em Washington.


Leia também o artigo: Hillary Clinton com mais um milhão de votos que Donald Trump


Clinton falava perante uma audiência de doadores e outros convidados num evento de uma organização sem fins lucrativos dedicada às crianças desfavorecidas.

O evento homenageou Clinton pelas suas contribuições para a organização, onde trabalhou quando era uma jovem advogada, nos anos 1970, e mais tarde ocupou um lugar na administração.

“Admito que vir aqui hoje não foi a coisa mais fácil. Houve alguns momentos na última semana em que tudo o que quis fazer foi enroscar-me com um bom livro ou com os nossos cães e nunca mais sair de casa”, disse.

Clinton reconheceu que muitos ficaram desapontados com o resultado das eleições, ganhas pelo republicano Donald Trump.

“Eu também fiquei, mais do que alguma vez possa expressar. Mas como disse na semana passada, a nossa campanha nunca foi sobre uma pessoa ou uma eleição. Foi sobre o país que amamos e sobre construir uma América com esperança, inclusiva e com um coração grande. Não me dediquei ao serviço público para conseguir um alto cargo”, afirmou.

Apelando a que a audiência apoie as crianças desfavorecidas, Clinton aludiu à promessa de Trump de deportar milhões de imigrantes indocumentados.

“Há crianças que estão hoje assustadas, como a menina que conheci no Nevada, que começou a chorar quando me disse como estava com medo que os seus pais fossem afastados dela e deportados. Nenhuma criança devia ter de viver com medo”, defendeu.

Apesar dos progressos conseguidos durante a presidência de Barack Obama, mais de 31 milhões de crianças vivem ainda na pobreza nos Estados Unidos, salientou.

“Esperava ter a oportunidade de continuar os progressos que o Presidente Obama fez porque sei que somos mais fortes juntos quando nos estamos a elevar uns aos outros. Por isso, peço-vos, por favor, não desistam dos valores que partilhamos”, apelou.

SUBSCREVER

Subscreva a newsletter e receba semanalmente todas as noticias de forma confortável

packshot_site

APP DELAS

Aceda por telemóvel, smartphone ou tablet as notícias, informações, num ambiente atrativo e intuitivo, compatível com o seu equipamento.

Appstore Googleplay

Telma Monteiro eleita Atleta do Ano