É isto que mais irrita as hospedeiras de bordo

hospedeirasiStock-842865214
[Fotografia: iStock]

Três assistentes de bordo e duas companhias aéreas: uma low cost e outra de bandeira. O Delas.pt procurou saber o que mais as irrita e elas mencionaram inúmeros casos, que parecem não variar muito entre passageiros que pagam o luxo ou que pagam o mínimo, desde a educação à falta de bom senso. Se está a pensar em tirar umas férias e fazer uma viagem, saiba então como evitar algumas destas atitudes e facilite o trabalho de todos.

Apesar da distância da terra, não perca a noção! O lixo não se manda para o chão e as normas de segurança são para cumprir. Todos sabem isso, mas parece que nem sempre o fazem, e isto é o suficiente para fazer verter a água do copo. As assistentes de bordo fazem de tudo para que haja segurança durante o voo, um bom serviço e, sobretudo, acompanhamento ao passageiro. Mas para tal, também é preciso a colaboração de todos. Estas três funcionárias revelaram as 14 ações que mais as irritam e que os passageiros teimam em fazer.

“Nós podemos ter vários voos num dia só e trabalhar um total de 16h” desabafa uma das assistentes. É um emprego que, segundo outra, “exige muito esforço físico e mental”. Devido há quantidade de voos que podem fazer durante um dia de trabalho e à mudança de horários é “bastante cansativo”, acrescenta.

“Urinar fora da sanita”, parece-lhe mal? Pois bem, é uma das ações que acontece frequentemente durante as viagens – revela uma das hospedeiras auscultadas -, bem como “filmar e gozar” enquanto são feitas as demonstrações de segurança. Estas são algumas das situações que as assistentes mencionam.

Conheça as 14 situações que podem fazer com que uma assistente de bordo seja levada ao limite. Para além disso, saiba que estas são apenas algumas das atitudes em que os passageiros falham e que podem ser facilmente evitadas.

Bagagem de mão: “quando pedem que sejamos nós a colocar as malas na espaço reservado à bagagem de mão”, lamenta uma das assistentes de bordo. Se conseguiu trazer a mala até ao avião, certamente não custa assim tanto colocá-la no devido sítio.

Campainha de emergência: “supostamente é para casos de emergência”, relembram. Deve ser utilizada sim, mas apenas em casos que precise realmente de ajuda e não para “nos darem o lixo”, dizem – tanto a da companhia low cost como a de bandeira.

Educação: Aqui é senso comum, “quando estalam os dedos ou fazem ‘pst pst’ para pedir algo”. Quando se dirige a alguém evite estalar os dedos ou fazer barulhos esquisitos que chamam à atenção. Aguarde e levante o braço, certamente que a assistente vai perceber que precisa de ajuda. “Há passageiros tão mal educados que nem as regras de segurança cumprem”, acrescenta. Zele por si e pela sua vida.

Há espaço para todos, mas não para tudo: “quando queres passar com o carrinho e tens 20 pessoas de pé”. O corredor entre as cadeiras é apertado e quando estão todos de pé as assistentes não conseguem – de todo – trabalhar e passar com o carrinho.

Ignorar o óbvio: Dê uma vista de olhos aos produtos que lhe mostram durante a viagem. Até vai ajudar a passar o tempo. Uma das situações que mais as irritam é “quando os passageiros ignoram por completo os anúncios”.

Tudo limpo, por favor: Uma das hospedeiras diz que é desesperante “quando os passageiros empilham as tacinhas no tabuleiro”. Se o carrinho estiver desarrumado é preciso espaço para tratar dos resíduos sujos, e “dá-me imenso trabalho colocar tudo no lugar”, diz uma delas.

Lugar da janela: se este for o seu lugar, será simpático passar o tabuleiro sujo. É simples e evita que a assistente “salte dois lugares para chegar lá”. Fazem-no se for necessário, mas vá lá, vamos facilitar o trabalho de todos.

Não exija o luxo que não pagou: Se viaja numa companhia low cost não espere um serviço premium. Todos fazem o que podem e ainda assim, uma das assistentes garante que “os passageiros tentam tratar-nos como escravos”.

Há lugar para todas as malas que não são de porão: “o meu espaço da bagagem está ocupado”, diz um passageiro. Mas, atenção! Não há marcações para a bagagem de mão. Enquanto houver espaço os passageiros podem encaixar a mala em qualquer sítio, mesmo que seja na outra ponta do avião. No entanto, muitos acham que por cima do lugar onde está sentado tem que existir um espaço reservado à bagagem de cada um.

Mantenha-se sentado: Durante o voo pode levantar-se para ir à casa de banho, no entanto uma das assistentes de bordo revelou que há passageiros que se levantam “mesmo antes do avião aterrar por completo”. Para sua segurança espere e evite o pior.

Necessidades e higiene: “urinar fora da sanita”. Sim, isto já aconteceu e, segundo uma das assistentes, “é muito habitual”. Olhe bem para o embarque. Há muitas pessoas que vão querer, com certeza, utilizar a casa de banho, portanto, evite este tipo de acontecimentos.

Atenção às normas de segurança: “quando os passageiros começam a filmar e a gozar enquanto fazemos as demonstrações de segurança”, diz uma das assistentes de bordo. Este passo é mais importante para si do que propriamente para as assistentes de bordo, que lhe facultam a informação. Elas já a sabem de trás para a frente e, numa altura de aflição, convém saber o que fazer.

Muitos pedidos: “Ir pedindo 3,4 ou 5 bebidas diferentes a bordo”. Na realidade, os assistentes fazem-no com gentileza e, mesmo assim, “há passageiros que ultrapassam o limite” e que as fazem ultrapassar o delas.

Perguntas sem resposta: “Acha que consigo apanhar o próximo voo?”, “vou perder a ligação?”. Estas são perguntas a que uma assistente de bordo não consegue responder, “ou não querem perceber que se olharem para o relógio têm logo a resposta, ou esperam que eu tenha uma bola de cristal”, diz.

[Fotografias: iStock]