Ashley Judd pede indemnização a Weinstein

A atriz de 50 anos, Ashley Judd, foi uma das primeiras mulheres a denunciar Harvey Weinstein por assédio sexual. Esta segunda-feira, 30 de abril, formalizou as acusações iniciando um processo em tribunal contra Weinstein.

O antigo produtor irá responder por difamação e assédio sexual, perante um júri, no Tribunal Superior de Los Angeles, em Santa Mónica. A atriz garante que Harvey prejudicou a sua carreira por esta ter recusado os seus avanços sexuais. Em causa está um papel no filme O senhor dos anéis de 1998, segundo Judd foi devido às calúnias de Wienstein que ela não conseguiu o papel.

Weinstein usou o seu poder na indústria do entretenimento para prejudicar a reputação de Judd e limitar a sua capacidade de encontrar trabalho” lê-se na queixa a que a Reuters teve acesso. No mesmo documento esclarece-se ainda que o que motivou as calúnias foi a rejeição dos “pedidos sexuais ocorridos cerca de um ano antes, quando ele a encurralou num quarto de hotel sob o pretexto de discutir negócios”.

Um representante de Harvey já veio negar as acusações, dizendo que o produtor sempre foi um defensor de Judd que inclusivamente fez parte do elenco de dois filmes produzidos por Harvey depois de 1998: Frida, em 2002 e Crossing Over em 2009.

A atriz pretende receber uma indemnização pelos alegados danos que Harvey Weinstein causou na sua carreira. Segundo declarações ao New York Times a quantia conseguida será doada ao movimento Time’s Up para que “mulheres e homens em todas as profissões possam ter reparação legal por assédio sexual, retaliação económica e danos nas suas carreiras”.

Assédio sexual em Hollywood: a lista de vítimas é infindável