Subir

Estudo: Desigualdade de género contribui para gravidez de adolescentes

Gravidez

Um quarto das jovens timorenses são mães antes dos 20 anos, com a desigualdade de género, as elevadas taxas de violência sexual e a falta de informação sobre saúde reprodutiva a contribuírem para essa situação, revela um novo estudo.

O estudo mostra que em muitos dos casos as gravidezes precoces são “frequentemente e rapidamente seguidas por casamentos” contribuindo para que 20% das adolescentes com 18 anos já estejam casadas.

“As desigualdades de género profundamente enraizadas – incluindo altas taxas de violência contra as mulheres e barreiras à saúde reprodutiva – desempenham um papel nestes dados preocupantes”, refere o estudo, que ouviu mulheres em várias zonas urbanas e rurais timorenses.

Encomendado pelo Grupo de Mulheres Parlamentares de Timor-Leste, o estudo foi realizado pela Secretaria de Estado da Juventude e Desporto do VI Governo em conjunto com o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) e com a organização Plan International.

Falta de informação e os elevados níveis de violência contra as mulheres em Timor-Leste – muitas das gravidezes resultam de violações – contribuem para que o problema assuma “dimensões preocupantes”, segundo responsáveis envolvidos no estudo.

“Temos atualmente um índice de 60% de violência entre parceiros íntimos em Timor-Leste“, notou Candie Cassabalian, especialista da UNFPA, citada numa nota sobre o estudo.

O problema, referiu, é ampliado porque as restrições sociais normais tornam o acesso a contracetivos difícil, especialmente sem o consentimento dos maridos ou parceiros.

“Mulheres casadas, independentemente da sua idade, têm muito pouco controlo sobre o seu próprio corpo e a sua fertilidade. Por isso, rapidamente, mulheres jovens acabam por ter muitas crianças, o que lhes limita as oportunidades e as escolhas ainda mais”, frisou Cassabalian.

O estudo refere que outro dos fatores que contribui para o problema é a falta de uma educação sexual compreensível. Algumas das mulheres e adolescentes ouvidas para o estudo admitiram que não sabiam nada sobre sexualidade.

“Apesar de a educação sexual fazer parte do currículo das escolas, muitas vezes os professores não se sentem à vontade para divulgar a informação”, explicou Lala Soares, especialista de género do Plan International.

“Em alguns casos contam-nos que quando chegam a este capítulo, rasgam as páginas dos livros“, acrescentou.

Mais do que um diagnóstico do problema quantitativo e qualitativo do problema, o estudo pretendia investigar formas de prevenção que ajudem a minimizar as gravidezes na adolescência e os casamentos precoces.

Ainda que o casamento seja o passo seguinte a uma gravidez não intencionada, muitos pais e líderes comunitários lamentam a sua elevada prevalência, segundo o estudo, que nota, porém, que o contexto social e familiar torna difícil às jovens falarem abertamente de temas como a sexualidade.

“Com a comunidade a enfatizar nos jovens a ideia de abstinência total, muitas dos relacionamentos dos adolescentes ocorrem em total clandestinidade. Isso impede os jovens de poderem fazer perguntas ou de ter acesso a informação e serviços adequados”, refere o estudo.

O documento mostra que jovens, tanto rapazes como raparigas, sabem muito pouco sobre os seus próprio corpo – ainda que quase todos tenham ouvido falar sobre o sexo. E revela que “não sabiam os riscos de gravidez, HIV ou outras doenças sexualmente transmitidas, como funcionava o sistema reprodutivo ou até os sinais de gravidez”.

“Quer os jovens quer os pais pareciam desconhecer os riscos de saúde associados à gravidez na adolescência”, nota ainda.
O estudo analisou ainda o acesso dos jovens a métodos contracetivos que considera estarem “fora do alcance de jovens solteiros” e que “para jovens mulheres casadas, também são usados raramente”.

As mulheres, nota, “estão sob pressão para ter mais filhos rapidamente e muitas acreditam que há inúmeras consequências negativas para a saúde se usarem contracetivos”, com os preservativos, por exemplo, a serem vistos como uma “licença para atividade sexual imoral“.

“O resultado é um número ainda maior de gravidezes na adolescência depois do casamento, desta vez com uma pressão considerável da comunidade sobre a jovem para que continue a aceitar estar grávida”, refere a mesma análise.