Museu britânico Tate dirigido por uma mulher pela primeira vez

Maria Balshaw é a nova diretora do museu britânico Tate, anunciou a instituição esta terça-feira, 17 de janeiro, no seu site oficial.

Esta é a primeira vez que o museu, que inclui entre outras galerias o famoso Tate Modern de Londres – dedicado à arte contemporânea –, nomeia uma mulher para ocupar o cargo.

Maria Balshaw, de 46 anos, é a nona personalidade a assumir a direção do Tate, sucedendo a Nicholas Serota. O presidente do conselho de administração do museu, Lord Browne, justificou a escolha da nova diretora pela sua “visão, dinamismo e a estatuto para liderar o Tate nesta sua nova fase de desenvolvimento”. “Desejamos, com muito entusiasmo, começar a trabalhar com ela”, afirmou o responsável.

Já Balshaw disse sentir-se “honrada” com a nomeação e “tremendamente entusiasmada por liderar o próximo capítulo da vida” do museu. A nova diretora, que tomará posse a 01 de junho deste ano, comprometeu-se a “desenvolver a reputação do Tate, como a galeria mais artisticamente aventureira e culturalmente inclusiva do mundo”.

A sua marca em Manchester
Maria Balshaw tem desenvolvido a sua carreira sobretudo em Manchester e a cidade reflete a sua influência. Diretora da Galeria de Arte de Withworth (Universidade de Manchester) desde 2006, foi sob a sua direção que a estrutura sofreu uma profunda requalificação para se transformar em museu. A obra, orçada em 17 milhões de libras (cerca de 19 milhões de euros), valeu a Withworth a distinção de Museu do Ano, em 2015, e uma indicação para o prémio de arquitetura Stirling Prize. Atualmente, Maria Balshaw dirige também as Manchester City Galleries e é a responsável pelo pelouro da Cultura na Câmara Municipal.

Em Manchester tem mesmo sido apontada como a figura-chave na transformação do setor cultural da cidade, por promover a realização tanto de programas populares, como de outros mais radicais e inovadores, e a expansão das coleções de arte.

Uma “patrona” das artistas femininas
Do vasto currículo de Maria Balshaw destaca-se o apoio e patrocínio consistente ao trabalho de artistas femininas. Entre estas está a portuguesa Joana Vasconcelos e outros nomes maiores da arte mundial como Marina Abramovic, Lynn Hershman Leeson, Mary Kelly, Jane e Louise Wilson ou Elizabeth Price.

Não se limitando a exibir as artistas, Balshaw assegurou a aquisição das suas peças e trabalhos, com o objetivo de dotar a cidade de valores culturais que reflitam uma diversidade global da prática artística contemporânea.