Portugal. Quatro casos suspeitos de hepatite aguda desconhecida em crianças dos sete meses aos oito anos

bebé filho pexels-pixabay-50692

“A Direção-Geral da Saúde (DGS) recebeu, até hoje, dia 4 de maio, a notificação de quatro casos suspeitos de hepatite aguda de etiologia desconhecida. As crianças, que têm entre sete meses e oito anos, apresentaram um quadro clínico de hepatite aguda, estando em curso a avaliação laboratorial complementar e a avaliação epidemiológica”, refere nota do organismo enviada às redações.

De acordo com o mesmo comubicado, as crianças evidenciara, “sintomas em abril e estiveram internadas, mas nenhuma apresentou complicações graves, tendo recuperado do quadro clínico”. Neste momento estão em “investigação fatores epidemiológicos como viagens ou ligações entre os casos, em colaboração com o Centro Europeu de Prevenção e Controlo de Doenças (ECDC)”.

Os quatro casos suspeitos foram identificados nas regiões de saúde do Norte, Centro e Lisboa e Vale do Tejo e, refere fonte oficial da DGS, “todos testaram negativo para hepatite A, B e C e SARS-CoV-2, aguardando-se ainda resultados para a hepatite E em duas situações”.

Um dos casos já testou positivo para adenovírus, tendo a amostra sido enviada para sequenciação ao Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge. Recorde-se que, no contexto do surto internacional, foi constituída uma taskforce pela DGS, que inclui especialistas da Sociedade Portuguesa de Pediatria (SPP). Perante uma doença de causa ainda desconhecida, e que se encontra em investigação, a DGS recomenda o reforço de medidas gerais de proteção individual, como a higiene das mãos, a etiqueta respiratória, o arejamento e ventilação dos espaços interiores ou a limpeza e desinfeção frequente de equipamentos e superfícies. Caso uma criança apresente sintomas respiratórios e gastrointestinais deverá evitar, como habitualmente, creches ou estabelecimentos de educação ou ensino. Devido à necessidade de melhor compreender este quadro, a DGS tem participado formalmente em diversas reuniões de trabalho com os seus homólogos, através do Programa Nacional para as Hepatites Virais, em parceria com a SPP. A DGS continua a acompanhar a situação a nível nacional e internacional e atualizará a informação epidemiológica e de saúde sempre que se justificar.