Subir

Se é mulher e engenheira, a easyJet anda à sua procura

O setor de engenharia na aviação conjuga-se sobretudo no género masculino. Mas para tentar inverter esta tendência, a companhia aérea de baixo custo easyJet quer recrutar mais mulheres para cargos de engenharia, procurando que metade das 14 vagas de aprendizes de engenharia seja preenchida por mulheres este ano.

Na empresa de aviação britânica apenas 5% dos 230 engenheiros são mulheres, uma percentagem que a companhia quer aumentar. “Em 2017, a easyJet procura preencher 14 lugares de aprendizes e pretende que sete sejam mulheres”, lê-se num comunicado divulgado esta segunda-feira, 28 de agosto.

Nesse sentido, a easyJet lançou o Programa de Aprendizes de Engenharia Aeronáutica, cujo período de candidatura decorre até 15 de setembro, esperando também que o número de candidaturas de mulheres aumente.

Para aceder ao processo e tentar conquistar uma vaga, o Delas.pt deixa aqui o endereço

TRUMPF em Portugal espera crescer 54% em Portugal em 2018

A subsidiária em Portugal da TRUMPF, grupo multinacional de produção tecnológica nas áreas de máquinas ferramenta, ‘lasers’ e eletrónica , espera crescer 54% em Portugal no próximo ano, estimando aumentar o volume de negócios de 13 milhões de euros para 20 milhões de euros em 2017.

A subsidiária foi fundada em junho de 2015 e nesse primeiro ano fiscal (2015/16) faturou 9,4 milhões de euros, adianta a empresa em comunicado.

links_oopsies“Os resultados preliminares para 2016/17 apontam para mais de 13 milhões de euros e em 2017/18 o volume de negócios indica na ordem dos 20 milhões de euros”, afirma Detlef Kranich, diretor-geral da TRUMPF Portugal e Espanha, num comunicado divulgado hoje.

Com uma quota de mercado de mais de 50%, o mesmo responsável garante que a empresa prevê “atingir os 60%” já no próximo ano fiscal, esperando a empresa contratar mais cinco pessoas.

Imagem de destaque: Shutterstock

CB com Lusa