Subir

A cor do verão 2017? Não é verde, não…


As tendências da moda ditam quais as roupas que usamos e as cores que conjugamos, mas depois surge algo que nos obriga a repensar tudo, porque há cores que temos mesmo de ter na mão.

Todos os anos os criadores de moda seguem as indicações do relatório que uma famosa empresa de padrões de cor lança, o Fashion Color Report Spring. É segundo este relatório que as principais marcas de roupa feminina e masculina se inspiram para lançar as coleções primavera/verão, especialmente no hemisfério norte.

A cor eleita pelo relatório de 2017 deu-nos a todas a indicação (o ultimato?) de que a cor deste verão seria greenery, um verde-amarelo picante, que supostamente remete para um ambiente de exploração, para novas folhagens. E isso é tudo muito agradável, mas gostamos de pensar que entre ser uma folha verde ou uma rosa, a escolha não será difícil, pois não?

É aqui que entra um gin, e pode ser estranho que as tendências de moda sejam ditadas por uma bebida, mas não é uma bebida qualquer. É um Gordon’s Premium Pink, e veio destabilizar as cores deste verão, porque certamente vai ser a escolha para aqueles fins de tarde em que até o céu se vai vestir de cor-de-rosa.

O seu tom rosa vem dos sabores naturais e doces de morangos e framboesas, misturados com toque subtil do zimbro. Conjugados com o sabor já bem conhecido de um gin que mantém a mesma receita há mais de 130 anos, está encontrada a bebida deste verão, sem dúvida.

A melhor maneira de o servir é num copo balão de gin (esta era óbvia, nós sabemos!), mas também pode usar um copo de vinho bastante largo, umas pedras de gelo, 50 ml de Gordon’s Premium Pink com 150 ml de água tónica e um morango cortado em quatro. Se a água tónica não é a sua “praia”, experimente substituir por um refresco de lima-limão.

Depois de ter a bebida preparada, só fica mesmo a faltar uma coisa: escolher o que vestir, porque não há ultimatos que façam com que o vestido greenery esteja à altura deste gin em tons de rosa, e a moda tem mesmo de começar a ser feita a pensar nas coisas que nos fazem felizes, e não em relatórios.