Subir

Antiga presidente da Libéria distinguida com Prémio Ibrahim

A ex-presidente da Libéria Ellen Johnson Sirleaf foi esta segunda-feira, 12 de fevereiro, anunciada como a quinta vencedora do prémio Ibrahim para a Excelência na Liderança Africana, que esteve vários anos sem ser atribuído. Esta ex-chefe de Estado, presidente daquele país durante dois mandatos, entre 2006 a 2017, foi distinguida pela liderança excecional e transformadora na recuperação da Libéria após muitos anos de guerra civil.
O presidente do Comité do Prémio, Salim Ahmed Salim, afirmou: “Ellen Johnson Sirleaf tomou o comando da Libéria após o país ter sido completamente destruído pela guerra civil e conduziu um processo de reconciliação concentrado na construção da unidade nacional e de fortes instituições democráticas. Ao longo de seus dois mandatos, ela trabalhou incansavelmente em nome do povo da Libéria”. Mesmo se foram cometidas algumas falhas nestes 12 anos, refere, o comité considera que a antiga chefe de Estado “lançou as bases sobre as quais a Libéria pode agora construir um futuro melhor”.
Desde 2006, a Libéria é o único país a melhorar em todas as categorias e subcategorias do Índice Ibrahim de Governança Africana, tendo subido dez lugares na classificação geral do Índice, para 28.º lugar em 58 países.

Antiga chefe de Estado “lançou as bases sobre as quais a Libéria pode agora construir um futuro melhor”

O objetivo do Prémio Ibrahim visa distinguir líderes que, durante o seu mandato, ajudaram a desenvolver os seus países, fortalecendo a democracia e os direitos humanos e estimulando o desenvolvimento sustentável.

O prémio foi lançado em 2006, mas até agora só foi atribuído cinco vezes, duas das quais a antigos chefes de Estado lusófonos: Joaquim Chissano, de Moçambique, em 2007, e Pedro Pires, de Cabo Verde, em 2011. Festus Mogae, do Botsuana (2008), e Hifikepunye Pohamba, da Namíbia (2014), foram os dois outros laureados, enquanto Nelson Mandela foi distinguido como vencedor honorário inaugural, em 2007.

No júri fazem parte Graça Machel, presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade (FDC), Aïcha Diallo, ex-ministra da Educação da Guiné, Martti Ahttisaari, ex-presidente da Finlândia, Mohamed ElBaradei, antigo diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atómica, a ex-presidente da Irlanda Mary Robinson, Festus Mogae e Horst Köhler, ex-presidente da Alemanha.
Criado pela Fundação Mo Ibrahim, financiada pelo empresário sudanês com o mesmo nome, o prémio pretende oferecer segurança monetária a dirigentes africanos que abandonem o poder.
O valor do prémio, no valor total de cinco milhões de dólares norte-americanos (quatro milhões de euros no câmbio atual), é distribuído durante dez anos, período após o qual os vencedores passam a receber 200 mil dólares (163 mil euros) por ano.

Imagem de destaque: Thierry Gouegnon/Reuters