É oficial: as mulheres já podem conduzir na Arábia Saudita

O progresso caminha a diferentes velocidades e para as mulheres sauditas o seu ritmo tem sido mais lento que na generalidade do mundo.

24 de junho de 2018 fica para a história como o dia que põe fim a uma tradição que vigorou ao longo de décadas sob a alçada do ultraconservador ‘establishment’ saudita: a condução era um privilégio reservado aos homens, por mais que os movimentos de contestação tenham ganho rodas nos últimos anos.

Foi em setembro passado que o Rei Mohammed bin Salman, de 32 anos, rosto de uma revolução que pouco a pouco vai agitando as águas e reconfigurando a sociedade, anunciou a suspensão das restrições que impediam as mulheres de conduzir, podendo agora ser emitidas livremente as respetivas licenças (20 dias antes, no entanto, já se despachavam as primeiras cartas).

À boleia das decisões

Claro que algumas das principais bandeiras do universo das tendências e da emancipação feminina não tardaram a dar eco aos ventos de mudança, que ainda assim não se livram de polémica.

Já este mês, a revista Vogue Arábia veiculava – literalmente – a força motriz que acompanha a suspensão da lei: “Driving Force” é o título associado à imagem de uma mulher ao volante, sendo que esta não é uma mulher qualquer, razão suficiente para que diferentes vozes questionem esta escolha para a produção.

Trata-se da princesa Hayfa Bint Abdullah al-Saud, filha do rei Abdullah, que morreu em 2015, e irmã do atual monarca, que surge num descapotável vermelho, numa pose glamorosa que está a anos da luz da realidade da maioria das mulheres sauditas.

O grito de poder não se livrou de contestação nas redes, com a capa a ser alvo de inúmeras alterações – uma delas destacava-se pela inclusão dos rostos das 11 ativistas que foram detidas em maio, por defenderem o direito à condução.

Arábia Saudita abre primeiro salão automóvel para mulheres

Arábia Saudita: Espiar telemóvel pode dar prisão