Subir

‘Cá Por Casa’. Novo programa de Herman chega a 21 de setembro

Herman José tem 62 anos

“É um talk show que não é talk show. Também não é um programa de humor, nem de variedades. É uma mistura de tudo, uma espécie de tutti-frutti com entrevistas, música, culinária, ficção e Maria Rueff. É um programa onde eu ponho os meus 40 anos de know how ao serviço de um produto que idealizo, completamente diferente do que já fiz e do que há no mercado”. É desta forma que Herman José descreve o seu novo programa na RTP1, que se estreia no dia 21 de setembro.

‘Cá Por Casa’ será emitido às quartas-feiras à noite – exceto quando há futebol – e terá a duração aproximada de 65 minutos. Os primeiros entrevistados? “Ainda não estão escolhidos, mas vão ser, seguramente, cinco ou seis”, sublinha o apresentador de 62 anos.

Maria Rueff vai participar no programa de Herman

Maria Rueff vai participar no programa de Herman

Mas quem gostaria ele de ter à sua frente, na noite de estreia do formato? “Há imensa gente que eu gostava de ter, mas uns já morreram, outros estão na América, outros ainda não falei com eles. Mas acho que o Obama, o Cristiano Ronaldo e o presidente da Síria [Bashar al-Assad] seriam uns bons primeiros entrevistados”, brinca.

Este é, no fundo, o programa que Herman gostaria de ver se estivesse com a televisão ligada em casa. “Se calhar vai ser um cataclismo enorme, mas pelo menos vou experimentar”, desabafou. O humorista conta ainda que teve liberdade total para desenvolver este projeto e que “os únicos limites são orçamentais”. “Mesmo assim, temos ovos suficientes para fazer uma omelete decente”, garante.

‘Cá Por Casa’ deverá prolongar-se por 2017 fora. Herman, que este ano gravou 25 episódios da sitcom ‘Nelo & Idália’ para a RTP1, continua, entretanto, com os seus espetáculos ao vivo – a 14 de outubro atua no Coliseu do Porto. Haverá travão para esta força do humor português? “Reformar-me está fora de questão”, assegura. “Já tentei parar e entro em depressão absoluta. E fico deprimido pelas coisas mais simples, como uma infiltração de humidade no teto. Quando estou a trabalhar, nada me deprime”.

Carolina Morais / Fotografias Palavras Ditas