E se ter filhos significar ter a reforma mais cedo?

[Fotografia: Shutterstock]

O projeto é claro: as mulheres devem poder pedir a reforma dois anos mais cedo por cada filho com dez ou mais anos de idade. Esta é a proposta que consta numa iniciativa legislativa da Roménia e que, uma vez aprovada no Parlamento, permitirá às mulheres poderem reformar-se mais cedo.

A ideia, segundo a agência de notícias Mediafax citada pelo site da cadeia pública britânica BBC, partiu de deputados sociais-democratas, cujo partido está no poder e é liderado por uma mulher: Viorica Dancila. Uma possibilidade que contará com o apoio da Aliança dos Liberais e Democratas e que surge no âmbito de mexidas na Lei das Pensões do país e da reposição de articulados que tinham sido revogados devido à implementação medidas de austeridade.

A impulsionar esta possibilidade está a quebra histórica da natalidade (o índice de fertilidade da Roménia está no seu nível mais baixo), mas também as condições sócio-económicas. Isto porque as estatísticas do território indicam que cada vez “mais as mulheres que trabalham desistem ou adiam a possibilidade de serem mães”. Na base deste adiamento estão, indica a Mediafax, as “considerações de natureza económica” feitas na hora de decidir – ou não – aumentar o agregado.

Menos cinco romenos a cada hora

De acordo com dados apresentados pelo site Romania Insider, o número de recém-nascidos está a baixar aos 200 mil ao ano, o que significa que o território está “a perder” cinco cidadãos por hora.

“A um nível nacional, a queda da taxa da natalidade para 195 mil crianças atinge um mínimo histórico para a Roménia moderna e acarretará graves problemas sociais. Se o ritmo se mantiver, em 15 a 20 anos, quer o mercado de trabalho – que ficará sem trabalhadores – como despesas com a Saúde e as Pensões – que aumentarão a pressão sobre os orçamentos do Estado – serão confrontados com sérias dificuldades”, lê-se no diploma citado pela imprensa do país.

Primeira-ministra recusada na Roménia por ser mulher ou muçulmana?

Afinal, consta ainda no documento, “nos últimos 20 anos tem havido um desastre demográfico em termos de desenvolvimento da taxa de natalidade tanto a nível nacional como em áreas que tradicionalmente proporcionam um crescimento natural positivo”. Uma realidade que é preciso inverter.

Quanto à idade da reforma para as mulheres, esta depende do ano em que nasceram. Para as que nasceram depois de 1955, em média retiram-se do mercado de trabalho aos 60 anos. No entanto, o Serviço Nacional de Pensões romeno aponta os 63 anos como a idade da aposentadoria prevista em 2030.

Imagem de destaque: Shutterstock

Portugal no fundo da tabela europeia da igualdade de género