Tecnologia: Bootcamp mundial de programação oferece bolsas a mulheres portuguesas

O Le Wagon, um bootcamp de programação informática, presente em 16 países e em 25 cidades, entre as quais Lisboa, vai lançar uma bolsa para mulheres na área das tecnologias. As candidatas devem ter idades compreendidas entre os 19 e os 23 anos e ser residentes em Portugal.

Na prática, a bolsa consiste na atribuição de cinco vagas, por ordem de chegada das candidaturas, com um desconto de 60% no valor do custo de frequência da formação (uma redução equivalente a 3540 euros do montante total da propina) para as mulheres que cumpram os requisitos estabelecidos.

O objetivo da iniciativa do Le Wagon Lisbon é contribuir para diminuir a desigualdade de género e a sub-representação feminina na área das tecnologias de informação. A representação nacional deste programa parece estar no bom caminho, já que em 2017, o Le Wagon de Lisboa contou com uma frequência feminina acima dos 40% em média ao longo do ano. Mas o objetivo é ir mais longe e assegurar uma paridade 50-50 entre homens e mulheres neste curso, que começa a 25 de junho.

Shannon Graybill, responsável do Le Wagon Lisbon, justifica, em declarações ao Delas.pt a atribuição destas bolsas, com razões objetivas – o facto de, segundo a organização, só 16% dos trabalhadores da área da tecnologia na Europa serem mulheres e ser necessário dotá-las de aptidões para atuar nesse mercado de trabalho -, mas também subjetivas.

“Além do facto de as mulheres serem o grupo demográfico mais pequeno dos nossos bootcamp, há, talvez, uma questão pessoal. Quando andava no liceu, ponderei vir a estudar engenharia na universidade, mas no fundo achava que não era ‘inteligente o suficiente’ para isso. Oito anos depois, tive a oportunidade de tentar novamente frequentando o Le Wagon em Amesterdão e foi incrivelmente empoderador.” Por isso, diz querer que “estas jovens mulheres não se retraiam” como ela fez. “Esperamos que ao subsidiar consideravelmente a formação elas tenham menos razões para não arriscar.

Shannon Graybill é a responsável pelo Le Wagon Lisbon, que começou em 2015.

Um dos principais objetivos do Le Wagon é proporcionar ao residentes dos países onde se encontram um conjunto de aptidões relevantes, na área da tecnologia e tecnologias de informação. Em Portugal, o fosso de género, nesta matéria, é o terceiro maior da Europa, numa altura em que, ao mesmo tempo, o número de mulheres nesta área das tecnologias assume uma importância crescente.

“Houve mais mulheres portuguesas a aderirem ao Le Wagon nos últimos quatro meses do que as que se juntaram durante o primeiro ano e meio do programa, portanto penso que isso é uma mudança”, assinala positivamente.

Mas para Shannon Graybill, o que este bootcamp faz é apenas um passo, numa alteração que se quer aplicada a várias vertentes.

“Para continuar este crescimento na participação, penso que é preciso mais do que apenas uma mudança para que as mulheres comecem a participar. As mudanças precisam de acontecer transversalmente. Dito isto, um bom ponto de partida são lideranças que compreendam o valor da diversidade na suas equipas e que encorajem ativamente as mulheres a juntar-se a elas”, defende a responsável do Le Wagon Lisbon, que é também também parceiro da Microsoft na iniciativa “Do IT, Girls!”, com um
workshop de programação.

O curso do bootcamp Le Wagon permite aos participantes, incluindo principiantes, aprenderem a programar em nova semanas. Considerado o principal bootcamp de programação no mundo, o Le Wagon já ensinou cerca de 200 estudantes a programarem. Em Portugal, o rácio de participantes inscritos nestes cursos do Le Wagon Lisbon tem vindo a aumentar a cada edição.

As interessadas em concorrer à Bolsa Jovens Mulheres na Tecnologia terão de preencher um formulário bem como a ficha de candidatura Le Wagon Bootcamp normal.