Subir

Obesidade atinge 41 milhões de crianças no mundo

obesidade infantil

Os números da obesidade infantil são alarmantes: bastaram 25 anos para que o número de crianças com menos de cinco anos com excesso de peso subisse mais 10 milhões. Estes são os mais recentes resultados de um estudo levado a cabo pela Organização Mundial de Saúde. A OMS, que considera tratar-se de uma epidemia, aponta baterias a fatores biológicos, a decrescente atividade física nas escolas e a publicidade alimentar como as principais causas que estão na origem deste “pesadelo”e que conduziram ao aumento de 31 milhões de crianças com excesso de peso em 1990 para os atuais 41 milhões.

Um problema que dá que pensar quando comparado com o drama da fome. É que a Unicef estima que existam 165 milhões de crianças no mundo desnutridas.

O estudo da OMS, que fala em “pesadelo explosivo”, foi realizado durante dois anos, em mais de uma centena de países e aponta África como um dos continentes que gera mais preocupação e onde os valores da obesidade nas crianças com menos de cinco anos duplicaram. Crê-se que a maior incidência desta epidemia seja na Ásia, com cerca de metade da totalidade dos casos.

Para a OMS, a obesidade infantil coloca em causa o cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentáveis, com horizonte temporal estabelecido para 2030, e põe em risco não só a longevidade, como o controlo de doenças não transmissíveis.

Saiba como, com passos simples, é possível combater a obesidade infantil:

  • Apostar numa alimentação saudável
  • Promover exercício físico
  • Ter cuidados na gravidez
  • Prestar atenção com a dieta e atividade física na primeira infância
  • Manter vigilância durante a idade escolar das crianças
  • Controlar o peso
  • Acompanhamento psicológico dos jovens obesos