Subir

Descoberto novo efeito secundário de ignorar o pequeno-almoço

Pequeno-almoço

Um grupo de investigadores espanhóis descobriu que não comer, ou comer muito pouco, ao pequeno-almoço duplica o risco de aterosclerose e indicia hábitos de vida pouco saudáveis.

Segundo o estudo, conduzido pelo Centro Nacional de Investigações Cardiovasculares Carlos III (CNIC), em parceria com o Banco Santander, e publicado segunda-feira na revista do Colégio Americano de Cardiologia, este é um problema independente dos fatores de risco habituais, como o tabagismo, colesterol alto ou o sedentarismo.

Os investigadores observaram mais de 4.000 pessoas de meia-idade, com recurso a tecnologias de imagem avançadas, durante seis anos, com o objetivo de caracterizar a prevalência e a progressão das lesões ateroscleróticas latentes e subclínicas.

No estudo, intitulado “Progressão e deteção precoce da aterosclerose”, foi analisada a relação entre três padrões de pequeno-almoço e a presença de placas ateroscleróticas (depósitos gordurosos nas paredes das artérias) em indivíduos assintomáticos.

Segundo o grupo de investigadores, liderado por Valentín Fuster, diretor-geral do CNIC, a análise de imagens determinou a presença de placas em territórios vasculares distintos: as artérias carótida e femoral, a aorta e as artérias coronárias.

As mesmas imagens mostraram 1,5 vezes mais placas ateroscleróticas nas artérias dos participantes que ingeriram menos de 5% da Ingestão Diária de Calorias Recomendada (duas mil calorias), em comparação com os participantes que tomavam um pequeno-almoço rico em energia (mais de 20% da dose diária recomendada).

Em algumas regiões vasculares, o número de placas era até 2,5 vezes maior nos participantes que não tomaram ou comeram muito pouco ao pequeno-almoço, mas estas diferenças, como explica Irina Uzhova, uma das autoras, são independentes da presença de fatores de risco cardiovasculares e hábitos alimentares pouco saudáveis.

Os resultados sugerem também que saltar o pequeno-almoço é um indicador de hábitos de vida pouco saudáveis mais gerais, associados a uma maior prevalência de aterosclerose generalizada.

Estudos anteriores já tinham demonstrado que a dieta, em termos de qualidade nutricional e padrões alimentares adquiridos, é um alvo importante em estratégias para prevenir doenças cardiovasculares.

Porém, José Luis Peñalvo, co-autor, ressalva que este é o primeiro estudo que fornece pistas diretas para uma associação entre padrões de pequeno-almoço diferentes e a presença de lesões ateroscleróticas, captadas através de ultrassonografia vascular.

Precisamos de marcadores de risco mais antecipados e mais precisos para as fases iniciais da aterosclerose que nos permitirão melhorar estratégias para prevenir enfartes do miocárdio, acidentes vasculares cerebrais e mortes súbitas”, considera outro dos autores do estudo, Antonio Fernández-Ortiz, adiantando que “estes últimos resultados contribuem de forma definitiva para alcançar esse objetivo”.